Facebook: Diferença entre um Perfil e uma Página

Qual a Diferença entre um Perfil e uma Página no Facebook?

O Facebook tem hoje cerca de 5,8 milhões de utilizadores portugueses, o que corresponde a quase 90% dos utilizadores de internet do nosso país, e esta tem sido uma das principais razões para que cada vez mais empresas portuguesas estejam a apostar numa presença nesta plataforma.

No entanto, nem sempre as empresas têm conhecimento de como a utilizar e/ou fazer uso das suas funcionalidades, garantindo o máximo de retorno para a marca. Um dos erros mais comuns é a criação de um perfil em vez de uma página.

O perfil de Facebook foi criado especificamente para pessoas e através dele elas podem criar e gerir a sua rede de amigos. Cada utilizador deverá ter apenas um perfil. Por exemplo, para interagir com os seus amigos e familiares deve criar um perfil pessoal, para interagir profissionalmente com os seus fornecedores e clientes deve ter uma página do seu negócio.

Segundo os Termos e Condições do Facebook, as empresas e marcas que querem estar presentes na plataforma devem criar uma página, regra que nem sempre é seguida. Uma pesquisa rápida no Facebook permite-nos confirmar que existem muitas empresas com perfis em vez de páginas.

Isto deve-se sobretudo ao desconhecimento existente acerca das regras do Facebook e à possibilidade de reunir facilmente mais pessoas com os perfis, adicionando-as como amigas. O facto é que as páginas foram especificamente criadas a pensar nelas, nas empresas, marcas, personagens fictícias.

As páginas têm conteúdo público e outras funcionalidades de operação e análise,  como as “aplicações” e as “estatísticas do Facebook”, que melhoram a sua experiência e optimizam a sua relação com os seguidores, mas que não encontramos nos perfis.

Através das “aplicações”, as empresas têm inúmeras opções de interacção com os seus seguidores, seja por via de formulários, jogos, passatempos ou outras actividades. Já a funcionalidade analítica “estatísticas do Facebook”, dá-nos acesso a um conjunto de dados estatísticos sobre o desempenho, sobretudo, das páginas e seus posts.

Para além disso, enquanto os perfis apenas podem promover (opção paga) os seus conteúdos, as páginas  oferecem várias opções de publicidade e modelos de pricing.

Como pode uma empresa criar uma página e configurá-la correctamente?

Qualquer marca pode criar uma página (https://www.facebook.com/pages/) de forma gratuita e sem qualquer custo de utilização da plataforma, devendo apenas respeitar as regras definidas pelo Facebook (https://www.facebook.com/page_guidelines.php).

Caso tenha um perfil criado em nome da sua empresa, fique a saber que consegue facilmente converter esse mesmo perfil numa página, ou até juntar duas páginas da sua empresa com nomes semelhantes. Se não tem uma página, mas gostaria de criar uma, aqui ficam alguns conselhos práticos:

Criar a página associando-lhe um perfil verdadeiro

Isto é, a página criada deve estar associada a um perfil de uma pessoa real. Isto nem sempre acontece. Muitas pessoas criam perfis falsos para, a partir deles, criarem uma página. Isto poderá causar alguns dissabores ao longo do tempo, como a perda de funcionalidades da página ou até a eliminação da mesma.

Para além disso, é aconselhável que se tenha pelo menos dois administradores (perfis verdadeiros) na página, para que na eventualidade de o acesso através de um dos perfis não funcionar ter sempre uma outra opção.

Escolher cuidadosamente o tipo de página

Se a empresa/marca é referente a um negócio local deve-se seleccionar essa categoria – “negócio ou estabelecimento local”, no momento da criação da página. Isto possibilitará que a página tenha maior visibilidade em pesquisas no Facebook Graph Search. Para além desta opção existem outras 5 categorias:  “empresa, organização ou instituição”, “marca ou produto”, “artista, banda ou figura pública”, “entretenimento”, “causa ou comunidade”.

Escolher cuidadosamente o nome da página

Este deve ser facilmente memorizável e estar associado ao negócio/marca, pois isso permitirá ao utilizador encontrar facilmente a página no campo de pesquisas.  O nome não deverá ser demasiado específico ou longo, como “Olaria Pirraça – Olaria e Cerâmica Tradicional do Alentejo”, nem demasiado genérico, como “Olaria”, “Loiça”, “Barro”. Estes nomes não são, na maior parte das vezes, aceites e violam os “Termos e Condições” da plataforma.

É importante não esquecer que depois de se atingirem os 200 seguidores não é mais possível alterar o nome da página (nesse caso terão de contactar o Facebook e pedir a alteração).

Definir  sempre o username da página

Este deve ser curto e estar associado ao negócio, como por exemplo “Uploadlisboa” (facebook.com/onomedoseunegocio).

Poderão fazê-lo em facebook.com/username. O username só poderá ser alterado uma vez.

Usar várias “palavras-chave” e o endereço de email na secção “sobre”.

À luz do que acontece nos websites devemos inserir palavras-chave que nos permitam ter a nossa página optimizada para as pesquisas . Essas palavras-chave deverão ser colocadas nas secções do “Sobre”, “Missão”, “Descrição da Empresa”. Tomemos o exemplo da “Pastelaria Mendes”. Neste caso, palavras como “Pastelaria” e “Bolos” deveriam constar nessas secções.

Colocar o endereço do website da empresa na secção “Sobre” é um outro pormenor que não se deverá ignorar. Esta parte pode ser vista como equivalente à “Meta description” de um website, sendo assim fundamental ter especial atenção ao seu preenchimento.

Personalizar a página de Facebook

É aconselhável colocar uma capa que remeta para o universo simbólico da marca ou para a área de negócio da empresa. A capa tem cumprir as medidas de 851x 315 pixéis e não deverá incluir: conteúdo comercial, contactos, call-to-actions ou qualquer palavra associada ao Facebook, como “goste” ou “partilhe”.

Deve ter no máximo 20% do seu espaço ocupado com texto. Para verificar se a capa tem mais texto do que o permitido poderá utilizar uma ferramenta como esta http://coverphoto.paavo.ch/.

Quanto à imagem da página (190 x 190 pixéis), esta deve ser facilmente identificável. A inclusão do logotipo é quase sempre a melhor opção.

Inserir aplicações que possam melhorar a experiência /acrescentar valor à página

Colocar um catálogo de produtos, colocar informações sobre a empresa e até uma caixa de subscrição da newsletter são algumas das muitas opções. Estas aplicações têm muitas vezes que ser desenvolvidas de raiz, mas empresas como a Involver, Woobox, North Social, Wildfire, entre outras, oferecem já varias aplicações standard, por valores muito baixos.

Incluir o endereço da página de Facebook nos restantes materiais e meios de comunicação

Colocar o “like button” no website, mencionar a página nos folhetos e cartazes, adicionar às assinaturas de email, colocar o endereço nos cartões de visita, são apenas alguns dos exemplos onde se pode anunciar a presença nesta plataforma.

Como vimos, é fundamental que as empresas e marcas apostem na criação de páginas e não de perfis, e que, ao fazê-lo, tenham em conta algumas das sugestões apontadas. A personalização das páginas contribui para a captação de novos seguidores, no entanto, não é suficiente para os reter.

Estudos demonstram que cerca de 90% dos seguidores não regressa à página depois de ter “gostado” dela. A interacção com a marca é habitualmente feita através do feed de notícias, onde os utilizadores passam cerca de 40% do seu tempo. Aqui o conteúdo é rei.

Profissional de marketing digital com mais de uma década de experiência em negócios online. Ao longo da sua carreira, ele ganhou experiência em todas as áreas do marketing digital, desde redes sociais até publicidade paga.

*O meu objetivo número um, é ajudar os leitores a melhorar as suas vidas financeiras, e faço parcerias regularmente com empresas que partilham a mesma visão. Se a compra ou inscrição for feita através dos links dos nossos parceiros, recebo uma compensação pela indicação.