O meu objetivo número um, é ajudar os leitores a melhorar as suas vidas financeiras, e faço parcerias regularmente com empresas que partilham a mesma visão. Se a compra ou inscrição for feita através dos links dos nossos parceiros, recebo uma compensação pela indicação.

Você já se perguntou o que a rede social faz com o seu cérebro? Porque um 'gosto' é tão viciante? Esta é a psicologia por trás da rede social...

A Autoestima e senso de propósito podem ser a chave para a compreensão dessas reações.

Quando publica uma foto ou atualização no Facebook, sente-se bem cada vez que uma bolha de notificação aparece e diz que alguém gostou da sua publicação?

Sente-se abatido quando não consegue reunir um número suficiente de gostos? 

Ou pensa ser relativamente indiferente ao modo como os outros respondem às suas palhaçadas nas redes sociais?

A maneira como responde a esse feedback pode revelar algo sobre a sua autoestima e o seu senso de propósito.

O potencial de obter respostas dos nossos amigos é um grande motivador da atividade nas redes sociais, e a maioria de nós fornece muitos comentários aos nossos amigos online.

Uma pesquisa com utilizadores do Facebook descobriram que “gostar” as publicações dos amigos era uma atividade comum, com 44% dos utilizadores dizendo gostarem do conteúdo dos amigos diariamente. 

E esses gostos, e comentários podem ser um dos principais motivos pelos quais as pessoas publicam conteúdo em sites, como o Facebook. 

Essa mesma pesquisa descobriu que 16% dos homens e 29% das mulheres pensavam que receber apoio de outras pessoas era uma das principais razões para usarem o Facebook, e cerca de 16% de todos os utilizadores concordaram que obter feedback sobre as publicações foi o principal motivador do uso do local.

gostos do facebook afetam

Mas pode algo tão pequeno e fácil de fazer como um Facebook como realmente fazer as pessoas se sentirem melhor?

A pesquisa mostrou que sinais de que outras pessoas investem no seu relacionamento connosco, como gostar de publicações no Facebook, nos dão a sensação de que somos apoiados. 

E esses monitores são especialmente eficazes quando vêm das nossas conexões mais próximas. 

"Se você acredita que as opiniões de outras pessoas são fatos, a sua autoestima ficará baixa"
psicologia dos gostos no facebook

Uma pesquisa recente de uma amostra nacionalmente representativa de utilizadores de redes sociais (idade média de 45 anos) descobriu que aqueles que estavam especialmente satisfeitos com as respostas que receberam na sua publicação mais recente e aqueles que receberam muitos comentários sobre essa publicação (por exemplo, gostos do Facebook) tendem a se sentir mais apoiados por sua rede social online.

Isso sugere que tanto a qualidade quanto a quantidade das respostas que obtemos nas redes sociais podem afetar até que ponto nos sentimos apoiados.

Porque queremos ser amados no Facebook?

O Facebook lançou o seu botão de gostar em fevereiro de 2009, quase cinco anos após o lançamento.

Ironicamente, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, não 'gostou'. 

A história indica que levou quase dois anos para que o botão 'gostar' fosse aprovado. 

Como usamos o Facebook sem um botão de gostar? Todos nós queremos ser amados, certo?

Como seres sociais, gostamos de falar sobre nós mesmos. Muito. Direta ou indiretamente.

Mais estudos indicam que falamos sobre nós mesmos em quase 40% do tempo! 

Quando começamos a usar o nosso teclado para falar, esse número salta para cerca de 80%.

Porquê? A comunicação cara-a-cara é rápida e, ocasionalmente, estranha. 

Não temos tempo para pensar nas palavras antes que elas saiam da nossa boca. 

Falar online nos dá tempo para pensar e as palavras podem ser cuidadosamente selecionadas para se apresentar da melhor maneira possível.

O espaço online é algo que podemos controlar.

Partilhamos os nossos pensamentos e interesses principalmente porque queremos estar conectados com as pessoas de quem gostamos, mas também porque queremos dar aos outros uma ideia de quem somos, verdadeira ou falsa.

Se os nossos amigos e seguidores gostam das nossas publicações, nos sentimos bem.

Quanto mais gostos, mais dopamina, melhor nos sentimos.

Em janeiro de 2017, o The New Statesman escreveu um artigo sobre gostos nas redes sociais. Uma citação se destaca:

“Gostar é sempre um indicador de posição social, na minha idade”, disse um anónimo entrevistado de 17 anos. “Como alguém que fica ansioso e às vezes luta contra a autoestima, a quantidade de gostos nas minhas publicações pode ser extremamente edificante ou deprimente.”

Assustador? Sim.

Mas como o feedback da rede social nos afeta pode depender da personalidade

facebook afeta a personalidade

Pesquisas anteriores mostraram que, geralmente, as pessoas com baixa autoestima são especialmente propensas a levar a sério os comentários negativos dos outros.

Recentemente, pesquisadores do Facebook descobriram que isso se transfere para reações a comentários online. 

Aqueles com baixa autoestima tendem a se sentir mal se perceberem que uma publicação deles, no Facebook recebeu um número insuficiente de gostos.

Isso é lamentável porque, embora aqueles com baixa autoestima sejam especialmente propensos a ver o Facebook como um lugar onde podem procurar apoio, eles, na verdade, recebem menos feedback positivo sobre as suas publicações do que os seus colegas mais confiantes. 

Esta pesquisa sugere que aqueles com baixa autoestima são mais suscetíveis aos efeitos desse feedback na rede social, se eles recebem um feedback positivo, eles sentem-se especialmente bem, e se não recebem, eles sentem-se especialmente mal.

gostos do facebook

Mas, de acordo com outra nova pesquisa, a autoestima não é o único fator que determina as nossas respostas ao feedback da rede social.

A relação entre autoestima e gostos no Facebook pode depender de um terceiro fator: o nosso senso de propósito. 

Embora a autoestima possa ser considerada um traço de personalidade estável, ela também é afetada por eventos nas nossas vidas, que podem incluir feedback nas redes sociais. 

Numa pesquisa com 300 adultos, Burrow e Rainone examinaram a relação entre gostos no Facebook, autoestima e senso de propósito. 

Para avaliar o senso de propósito, os participantes avaliaram a sua concordância com seis afirmações como “para mim, todas as coisas que faço valem a pena” e “Tenho muitas razões para viver”.

Aqueles que indicaram ter um grande propósito na vida não mostraram relação entre gostos no Facebook e autoestima.

Mas para aqueles que não tinham um propósito, quanto mais gostos do Facebook recebiam, melhor se sentiam consigo mesmas.

Num segundo estudo de Burrow e Rainone, 102 estudantes  participaram numa experiência para ver como os gostos afetam diretamente a autoestima.

Todos os participantes completaram uma medida de senso de propósito e foram então instruídos a tirar uma selfie.

Essa selfie foi então publicada num site de rede social falso que os participantes foram levados a acreditar que seria visto por outras pessoas. 

Os participantes foram designados aleatoriamente para receber feedback falso sobre quantos gostos as suas fotos haviam recebido. 

Alguns foram informados de que as suas fotos receberam o mesmo número de gostos que uma foto média durante o teste piloto. 

Outros foram informados de que as suas fotos receberam abaixo ou acima do número médio de gostos. 

Após receber esse feedback, os alunos completaram uma medida de autoestima.

O efeito de gostar na autoestima depende do senso de propósito.

Os resultados mostraram que receber um grande número de gostos melhorou a autoestima apenas para aqueles com baixo senso de propósito, e não para aqueles com alto senso de propósito. 

Portanto, a aprovação de outras pessoas pode nos dar um sentido de significado nas nossas vidas, se ainda não tivermos um forte senso de propósito.

Isso também pode explicar o grande papel que as redes sociais podem assumir na vida dos adolescentes.

Ficar online é mais importante para os adolescentes do que para os adultos mais velhos, com 92% dos adolescentes relatando que ficam on-line diariamente, incluindo 24% que afirmam estar online “quase constantemente”

Encontrar o senso de identidade e propósito de alguém é uma parte importante do desenvolvimento do adolescente.

Uma vez que os adolescentes ainda encontram o seu propósito, eles podem estar especialmente inclinados a levar a sério o feedback das redes sociais e a trabalhar duro para obter a aprovação de outras pessoas nas redes sociais.

Procura mais artigos sobre marketing digital?

Consulte os mais de 500 artigos sobre marketing digital, e aprenda tudo sobre como alavancar o seu negócio online.

Esta pesquisa sugere que o feedback que recebemos nas redes sociais pode nos fazer sentir mais apoiados e nos fazer sentir melhor.

Mas nem todos são igualmente afetados por esse tipo de feedback. 

O nosso nível de autoestima e o nosso próprio senso de propósito na vida podem determinar a importância desse feedback para nós.

“É um ciclo de recompensa, você recebe um jato de dopamina toda a vez que recebe um gosto ou uma resposta positiva nas redes sociais”

Então, o que isso faz connosco!

redes sociais

A rede social certamente tem os seus benefícios; pode criar oportunidades, ajudar as pessoas a manter relacionamentos e também prevenir a solidão de pessoas que, de outra forma, estariam muito isoladas.

Mas usadas de forma errada, as redes sociais podem causar uma série de problemas de saúde mental e autoestima.

Um relatório recente sugere que existe o risco de realmente aumentar a solidão em certas circunstâncias; mais de duas horas de uso de rede social por dia, descobriu o estudo, dobrou as hipóteses de uma pessoa experimentar o isolamento social, em vez de reduzi-lo.

“Com as mulheres jovens, à procura pela perfeição está se tornando um grande problema”

Quando depende da rede social, isso pode aumentar os problemas de insegurança e criar uma sensação de paranoia. 

Pode aumentar a depressão e nos permitir sentir que a vida de outras pessoas é muito melhor do que a nossa.

Ela ensina-nos a olhar externamente para mundos que não podemos mudar e não temos impacto ou poder sobre, em vez de olhar internamente para os nossos próprios mundos, sobre os quais temos total controle e poder.

Em vez de usá-lo como uma ferramenta de aspiração, positividade e motivação, usamos contra nós mesmos.

Acreditamos que somos menos, temos menos e seremos menos que todos os outros, porque podemos ver todas essas outras oportunidades que não somos capazes de nos envolver.

E esse é o problema; embora as redes sociais forneçam uma alta de curto prazo, muitas vezes são seguidas por uma baixa devastadora.

Embora a baixa autoestima não seja em si um problema de saúde mental, os dois estão intimamente, ligados.

A baixa autoestima pode, por sua vez, contribuir para a depressão ou outros problemas de saúde mental, por isso é vital usar a rede social com segurança e reconhecer quando pode estar a ter um impacto negativo na sua saúde mental.

“Se você está se sentindo vulnerável ou gasta muito tempo nas redes sociais, pode valer a pena fazer uma pausa ou reservar algum tempo diariamente para fazer outra coisa, como ler um livro ou fazer algum exercício físico.”

O mundo online é um mundo de realidade virtual, não realidade real; e embora possa dar um bom espetáculo quando se trata de atender à interação social que inatamente desejamos como seres humanos, não é nada em comparação com a vida real. 

Nós treinámo-nos psicologicamente para nos tornarmos dependentes de reforços positivos de fontes online, que afetam o nosso humor e influenciam o nosso comportamento. 

Mas se todos nós colocarmos tanto esforço nas nossas interações na realidade quanto nas interações online, quem sabe?

Talvez nos encontrássemos muito melhor.

Sobre o Autor

Joao Botas

João é um profissional de marketing digital com mais de uma década de experiência em negócios online. Ao longo da sua carreira, ele ganhou experiência em todas as áreas do marketing digital, desde redes sociais até publicidade paga. Ele trabalhou em projetos de clientes e projetos de afiliados. Hoje, ele está focado em construir novos projetos e direcionar tráfego através de SEO e publicidade paga.